quinta-feira, 10 de dezembro de 2015

Pivô da Separação. Existe isto? :-O


Gente, é impressionante a quantidade de mulheres que me procura com a mesma questão: não querem ser "pivôs" de uma separação. 

Percebi que esta é uma questão pública, então, longe de fazer apologia aos divórcios, ouso emitir publicamente minha opinião: mulheres, os homens, quando querem se separar, o fazem por estarem infelizes e insatisfeitos em suas relações atuais, mas, a maioria esmagadora deles, parece não ter forças para sair sozinho da prisão em que se transformou o seu casamento e precisam de alguém que os ajude, os apoie e, para tanto, utilizam-se de amigas confidentes, cúmplices, parceiras, com as quais mantém relações, sexualizadas, ou não. 

Sequer é garantido o status de novo cônjuge a esta parceira (na minha observação, cerca de 40% destas parcerias não suporta as consequências da separação anterior e se desfaz em até dois anos - em contrapartida, conheço também relações resultantes dessas parcerias que seguem como modelos - invejáveis - de uma vida conjugal de sucesso). 

Então, se a sua dificuldade era ser taxada de "pivô da separação", esqueça-a. É só mais um preconceito da sociedade, não uma preocupação real. Ah, mas a novela, o cinema, o livro fomentam este pensamento... Tá, livro tem que vender, novela tem que ter audiência e cinema, bilheteria. Na vida real, onde as pessoas tem chulé e arrotam, ninguém se separa por causa de outro alguém, mas sim, por causa de si mesmo. Com outro alguém, é mais confortável, mas lembre-se, não é por sua causa, é por causa dele.

Nenhum comentário:

Postar um comentário